Sem licitação, Cemig gasta quase R$ 3 milhões com advogados contra ativos e aposentados na Cemig Saúde

A Cemig contratou três escritórios de advocacia, sem licitação, por R$ 2,7 milhões para entrar com ações na Justiça contra o plano de saúde de ativos e aposentados. Na primeira ação, a Justiça negou o pedido da Cemig de que o Acordo Coletivo Específico (ACE) não fosse renovado automaticamente para 2022. A decisão é liminar e aguarda a manifestação das entidades representativas.

Apesar de ser uma decisão provisória, a argumentação utilizada pelo desembargador Sebastião Geraldo de Oliveira deixa claro que a Cemig quer apenas tumultuar. Diz a sentença que as patrocinadoras querem “causar a anomia, ou seja, forçar o término da vigência da cláusula de renovação automática e a realização de novas negociações coletivas, livrando-se dos termos da cláusula coletiva que espontaneamente estipulou, com amparo no art. 7º, XXVI, da Constituição Federal, e vem renovando de forma automática por cerca de 11 (onze) anos, tendo sido livremente renegociada pelas partes em 2016”.

Na segunda ação, a Cemig pediu mediação do Tribunal Regional do Trabalho nas negociações sobre o ACE. Sobre isso, o TRT marcou a primeira reunião de mediação sobre Cemig Saúde para o dia 29 de novembro.

Renovação automática está no ACE

A Cemig tentou utilizar uma decisão liminar do Ministro do STF Gilmar Mendes à ADPF 323 (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) sobre o fim da ultratividade (renovação automática de acordo) e aplicá-la ao ACE. Entretanto, a renovação automática é prevista pelo artigo 17 do próprio ACE, o que demonstra que houve acordo entre as partes.

Segundo o desembargador, o argumento da Cemig viola “a autonomia coletiva privada, que é o que se pretende preservar na APDF 323 inclusive pela medida liminar concedida” já que houve “livre estipulação de renovação automática”.

Escritórios milionários

Também chama a atenção o fato de a Cemig ter contratado por R$ 2,7 milhões, sem licitação, três escritórios para tentar cortar direitos de ativos e aposentados na Cemig Saúde. A ABCF já falou sobre dois desses escritórios e especificamente sobre um deles, que foi inaugurado recentemente.

Foram gastos mais de R$ 2,2 milhões em dois contratos (de R$ 1,7 milhão e R$ 548 mil) com o escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados para rever o ACE da Cemig Saúde e dar base jurídica para a criação de novos planos de saúde para ativos e aposentados. Outros R$ 450 mil foram pagos ao escritório Barra, Barros e Roxo Sociedade de Advogados para alterar o plano de saúde.

A ABCF PRECISA DE VOCÊ. SEJA SÓCIO. APOIE QUEM TE DEFENDE

Precisamos fortalecer as entidades representativas, inclusive financeiramente, para protegermos os participantes da Forluz e da Cemig Saúde. Os custos com advogados e outras consultorias são elevados.

Não se esqueça de se tornar sócio da ABCF e fortalecer quem defende os participantes. Importante deixar claro que a Justiça só vai dar o direito a ações contra perdas de direitos na Forluz a quem for sócio de alguma entidade.

Se você ainda não é sócio, junte-se a nós da ABCF.

É simples se tornar um associado. Clique no link. São apenas R$ 13,57 por mês.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube. Clique aqui.

Somente nossa eterna vigilância vai proteger a Forluz e a Cemig Saúde

Receba notícias pelo WhatsApp >>> https://chat.whatsapp.com/HcRys1VwIoXKl0XLMIlSFu

Conheça a História da ABCF e faça parte dela: https://www.portalabcf.com.br/historia/

Conheça a diretoria e o conselho da ABCF: https://www.portalabcf.com.br/abcf/diretoria-e-conselheiros/