51% dos brasileiros pretendem se aposentar antes dos 65 anos


Uma pesquisa feita pelo Instituto Ipsos em parceria com a Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (FenaPrevi) revela que 51% dos brasileiros pretendem se aposentar antes dos 65 anos e apenas 20% planejam parar de trabalhar após esta idade. 

O levantamento mostrou ainda que 51% das pessoas consideram que o sistema previdenciário é sustentável e 28% acreditam que haverá problemas no futuro. Os dados foram apresentados na manhã desta terça-feira (12/6) pelo presidente da FenaPrevi e CEO da Zurich no Brasil, Edson Franco, durante o IX Fórum Nacional de Seguros de Vida e Previdência Privada, que ocorreu no WTC Events Center, em São Paulo. 

“Isso mostra que os brasileiros ainda não compreenderam que a Previdência está em desequilíbrio e marcha para o colapso”, disse Franco. Ele defendeu que há um deficit crônico e crescente nas contas públicas, resultado da expansão dos com os benefícios previdenciários. Segundo ele, o estudo mostra que há grande desinformação das pessoas sobre um tema e respostas contraditórias para a pesquisa. 

Mesmo com o entendimento dos entrevistados de que o sistema previdenciário é sustentável, 49% das pessoas que responderam a pesquisa acreditam que a reforma da Previdência Social deve ser tratada pelo próximo presidente, enquanto 33% avaliam que não. 

A grande maioria das pessoas (75%) acreditam que o principal problema do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) é a corrupção, enquanto 15% culpam a forma como ele foi pensado e o envelhecimento da população. 

O presidente da FenaPrevi destacou a pesquisa mostrou uma mudança de percepção da população, porque antes a sociedade não tinha conhecimento da reforma da Previdência. “Hoje, quase todo mundo tem uma opinião sobre a reforma”, disse. “43% já entendem e acreditam que fazer uma reforma é importante, o que é a maior parte, já que 38% discordam. Mas há uma diferença muito pequena, o que retrata que os brasileiros estão divididos sobre o tema”, completou. 

De acordo com ele, há um alto nível de desinformação, porque 51% das pessoas acreditam na sustentabilidade do sistema previdenciário. “Esse é um índice alto demais para o tamanho do problema que nós temos”, disse. “Há uma projeção de um deficit de R$ 200 bilhões (na Previdência). Hoje, a seguridade social consome 45% dos gastos públicos e, em menos de uma década, vai chegar a 60%”, completou Franco. 

O presidente da FenaPrevi comparou aos gastos destinados à saúde e educação, que são menores que 15% do total do orçamento público federa. “Se (as despesas com Previdência) continuar crescente, dado as condições demográficas de envelhecimento da população, esse gasto vai tirar dinheiro de saúde, educação e infraestrutura e de tudo aquilo que o Brasil tanto precisa para continuar a crescer”, explicou. 

Aposentadoria 
Mesmo com a opinião majoritária de que as pessoas querem se aposentar antes dos 65 anos, 43% das pessoas afirmaram que vão continuar trabalhando por conta da dependência dos recursos. O levantamento mostra que 76% dos brasileiros vão precisar “totalmente” ou “muito” dos recursos, enquanto 18% dependeria “pouco” e 3% não precisa do montante. 
Por isso, 60% dos entrevistados acreditam que os planos complementares de previdência são necessários. Segundo eles, os remédios (57%), plano de saúde (48%) e segurança (36%) são os gastos que mais preocupam. 

Mesmo assim, Franco mostrou que há uma diferença entre o que é defendido e os comportamentos. A pesquisa revela que 43% das pessoas pretendem garantir o próprio sustento trabalhando na sua fase de aposentadoria. Na contramão, 18% espera usar recursos da poupança, previdência privada ou outros. Outros 5% afirmaram que terão suporte de famílias e 4% usarão investimentos em imóveis. 

Além disso, a maioria dos entrevistados não sabe ou não respondeu qual será o valor a receber de aposentadoria (48%). Outros 22% responderam que terão entre 100% e 80% da renda atual. O estudo ouviu 1,2 mil pessoas em 72 municípios no mês de abril, com idades entre 16 anos e 60 anos ou mais. 

Preparação para o futuro 
Franco destacou que o Estado não terá capacidade de suprir o bem-estar social da população, que está envelhecendo. Por isso, é necessário que as pessoas se preparem e se conscientize para a criação de uma poupança de longo prazo. 

Mesmo assim, um estudo da Zurich em parceria com a Universidade de Oxford revelou que 75% dos entrevistados consideram dever do Estado o bem-estar social dos indivíduos. O presidente da FenaPrevi destacou que os dados são semelhantes com os 83% que declararam não ter condições de sobreviver financeiramente pelos próximos seis meses. 

“A maioria das pessoas desconhece outras formas de proteção social e não supõe que haja alternativas a proteção que espera receber do Estado”, disse. “O Brasil é um país com uma cultura de poupança de longo prazo ainda em formação”, completou. 

De acordo com o presidente da FenaPrevi, os próximos meses serão fundamentais para uma reflexão de temas que afligem a nação, dada a proximidade das eleições deste ano.  Segundo ele, é preciso “buscar caminhos e saídas de obstáculos que obstruem o crescimento do país”. “A economia brasileira se recupera lentamente da mais grave crise econômica de sua história. O país tem pela frente dificuldades que, para serem superadas, exigem um envolvimento de todos os agentes econômicos e políticos”, ressaltou.   
Fonte: Correio Web



Compartilhe Google Plus

Sobre Portal ABCF

Site da Associação dos Beneficiários da Cemig Saúde e Forluz. Previdência complementar, fundo de pensão, educação financeira e plano de saúde.
    Comentários Gmail
    Comentários Facebook

0 comentários :

Postar um comentário