Seguro de vida: Cemig não negocia e Justiça decidirá em maio

Em audiência sobre o Seguro de Vida em Grupo da Cemig nesta segunda, 6 de março, a empresa Cemig se negou a entrar em acordo com os aposentados e a Justiça deve decidir o caso, em primeira instância, apenas em maio. A ação foi ajuizada pelo Sindieletro.

Curta nossa página no Facebook

Após ouvir as partes, a juíza deu prazo até 27 de março para que fossem apresentadas, por escrito, as razões finais. A fase de instrução do processo se encerra no dia 2 de maio e a decisão deve ser dada logo após esta data.

O preposto do Sindieletro na audiência, Marcelo Correia, fez um relato dos fatos. Veja abaixo.

“Ontem, 06/03/2017, foi realizada a audiência do processo do Seguro de Vida da Cemig e eu fui o preposto do Sindieletro. A empresa manteve a intransigência, se recusando a qualquer negociação. A juíza ouviu as partes e deu prazo até 27/03/2017 para apresentação das razões finais por escrito (não haverá nova audiência). Dia 02/05/2017 encerra a instrução do processo e a decisão de primeira instância deve ser dada logo após esta data.

Acredito que buscamos de todas as formas um entendimento que pudesse reduzir as perdas dos aposentados e também que o jurídico do Sindieletro produziu um processo com forte argumentação. Só nos resta esperar pelo resultado, mas é importante destacar:

1º - Ficou claro que a Cemig nunca teve a intenção real de cumprir o acordo que pôs fim a greve de mais de 50 dias do ACT 2015/2016. A empresa conta com a justiça no Brasil, que as vezes falha e é suscetível às pressões das empresas e dos governos, mas principalmente que sempre tarda, o que arrastará o problema para o colo das próximas gestões.

2º - Conseguimos comprovar o que afirmamos desde o início, o montante envolvido é nada para a Cemig. Na ata está a confissão, o custo para renovar o seguro era de apenas R$4 milhões/ano para a empresa. Este valor não paga nem as despesas com os novos cargos comissionados (ad nutum) que esta gestão criou para acomodar apoios políticos.

3º - Também ficou comprovado que a Cemig mentiu o tempo todo dizendo que as seguradoras não tinham mais interesse em renovar a apólice da Cemig. Apresentamos documento da SulAmérica com proposta de aumento de R$59 para R$69 por R$100.000 de capital segurado. Este valor ainda seria inferior aos valores históricos da apólice, em torno de R$77 (por causa da retirada do IFPD em 2013).


4º - Ficou também a lição, outra vez a vaidade e a briga por poder na alta gestão da empresa levou a uma disputa e a mais de 50 dias de greve, prejuízos para a própria empresa e principalmente para nós trabalhadores”.



Curta nossa página no Facebook
Compartilhe Google Plus

Sobre Portal ABCF

Site da Associação dos Beneficiários da Cemig Saúde e Forluz. Previdência complementar, fundo de pensão, educação financeira e plano de saúde.
    Comentários Gmail
    Comentários Facebook

0 comentários :

Postar um comentário