Presidente da ABCF responde a acusações de candidato à vaga da Cemig Saúde

Apesar de a ABCF não ter-se posicionado por uma ou outra chapa nas Eleições atuais para a Cemig Saúde, acabou por ser envolvida no processo eleitoral pelo candidato da Chapa 2, João Carlos, que fez acusações, listadas abaixo, à Associação e a seu presidente Júlio César Silva, também conselheiro fiscal eleito da Forluz, de que a razão da saída da ABCF do Coletivo de Entidades tenha sido motivada por dinheiro pedido pelo seu presidente e negado pelas entidades. 

1. Que, em função disso, o presidente da ABCF teria iniciado ataques ao Coletivo; 
2. Que ABCF nunca foi membro ou participou do Coletivo de Entidades.

Tal acusação já foi feita através de email pelo presidente da Federação dos Urbanitários de Minas Gerais, Everson Tardelli, em 15/03/2016, tendo o presidente da ABCF preferido tratar o assunto internamente no Coletivo de Entidades. Infelizmente, a atual coordenação do Coletivo se omitiu e não abriu a possibilidade de esclarecer tudo. 

Curta nossa página no Facebook


Agora, a situação saiu de controle e as acusações foram reproduzidas na página do Grupo Cemig no Facebook, que possui mais de 5.200 membros. Veja a nota abaixo de autoria do candidato João Carlos.



INFELIZMENTE, NÃO PODEMOS NOS CALAR

Lamentamos ter que tomar o tempo dos trabalhadores eletricitários com questões de natureza moral, quando deveríamos canalizar toda a nossa energia para enfrentar os verdadeiros inimigos que atacam nossos direitos trabalhistas e previdenciários. No entanto, não podemos nos omitir diante do comportamento de uma pessoa que pretende nos representar num órgão tão importante como o Conselho Deliberativo da Cemig Saúde. Um candidato sem compromisso com a verdade e que faz de tudo para ganhar uma eleição. Até mesmo se sujeitar a dar recados sobre aquilo que desconhece e ignora. O que esperar deste candidato, se eleito for? Nada mais do que a obediência cega aos seus “mentores” já que incapaz de agir por si próprio.

DESMONTANDO AS MENTIRAS

1) A razão da saída da ABCF do Coletivo de Entidades tenha sido motivada por dinheiro pedido pelo seu presidente e negado pelas entidades. 
O presidente da ABCF, Júlio César, foi quem idealizou e comandou o Coletivo de Entidades, vencedor das Eleições da Cemig Saúde em 2014 com a Chapa 2. Após a eleições, cumprindo o que tinha prometido, saiu da coordenação do Coletivo, ficando esta a cargo dos DRP Forluz e Cemig Saúde. Tendo os dois DRPs se declarado incapazes de coordenar o coletivo, juntamente com suas funções, decidiu-se por uma nova coordenação tendo à frente o Presidente da AEA, do Senge e da Federação do Urbanitários. Ciente da enorme responsabilidade assumida o presidente da AEA, tentou fazer a contratação de um secretário executivo que pudesse dar conta do trabalho. Daí partiu a consulta à pessoa do presidente da ABCF, que jamais pediu para ser contratado e só aceitou considerar a sua contratação porque ninguém quis assumir as demandas do Coletivo. A proposta financeira apresentada foi à apreciação do coletivo é a mesma já praticada com outro Coletivo de Entidades (Fundação Libertas), idealizado pelo presidente da ABCF, desde 2013, coordenado por ele até hoje. Importante ressaltar que o Senge-MG também é membro deste Coletivo. 

O mais nefasto disso tudo é verificar que o Coletivo nunca se manifestou formalmente aceitando, negando ou apresentando uma contraproposta. Aliás, esse parece ser o modo de agir e de pensar de alguns de seus membros. Por fim, para que fique bem claro, o presidente da ABCF nunca recebeu um centavo para trabalhar para o Coletivo de Entidades.

2) Afirmou ainda que, em função disso, o presidente da ABCF teria iniciado ataques ao Coletivo a partir de 27.05.2015. 
Após transferir a coordenação do Coletivo de entidades ao DRP da Forluz, conforme acertado antes de sua eleição, ou seja, em julho de 2014, o conselheiro fiscal da Forluz Júlio César fez inúmeras solicitações para que o Coletivo discutisse a implantação do programa que haviam se comprometido nas eleições de 2014, via Chapa 12. Em nenhuma delas houve falta de respeito ou qualquer tipo de ataque, conforme cópias das mensagens. Ou será que não se pode questionar e tentar fazer cumprir o ideário motor das eleições?

Entre setembro/2014 a março de 2016, foram seis solicitações de reuniões do Coletivo para tratar da implantação do Projeto De Olho na Forluz e Cemig Saúde e outras duas diretamente ao Senge e ao Sindicato dos Eletricitários de Juiz de Fora. Por que não foram nem respondidas? O fato de solicitar reuniões é atacar?

Outros membros do Coletivo também “atacaram”?
Felizmente, ou infelizmente, no período de julho de 2014 a março de 2016 dezenas de membros do Coletivo de Entidades teceram críticas severas ao não funcionamento do Coletivo em pelo menos 28 oportunidades.  Apenas o presidente do Senge, Raul Otávio, atual subcoordenador do Coletivo, manifestou-se seis vezes em 2015, inclusive ameaçando desligar o Senge do Coletivo de Entidades. Por que nenhuma das situações foi tratada como ataques ao Coletivo? Ele também não teria atacado o Coletivo?

3) Que a ABCF nunca participou do  Coletivo de Entidades.
A ABCF foi a primeira entidade a formalizar sua participação no Coletivo de Entidades, conforme ata da sua diretoria datada de junho de 2015, portanto, antes mesmo de o atual presidente assumir. Além disso, a associação foi uma das signatárias de correspondência enviada à Cemig, datada de 18/09/2015, em nome do Coletivo, visando as negociações do custeio da Cemig Saúde.

Como se pode notar, a irresponsabilidade e a maldade parecem andar juntas. Fácil constatar que o Coletivo, como idealizado, nunca funcionou, a não ser nas eleições de 2014. Caso alguém queira verificar o que se passa, é só pedir onde estão as prestações de conta, as atas de reunião, as orientações e apoio aos conselheiros eleitos da Forluz e da Cemig Saúde. Pergunte ao seu candidato eleito quantas reuniões do Coletivo ele participou. Se alguma orientação foi passada pelos seus dirigentes em questões cruciais, como  o pedido de redução de aluguel de nossos prédios, da sublocação de um andar para o governo de Minas e tantos outros assuntos que não chegam ao conhecimento da imensa maioria dos participantes.

O presidente da ABCF, possui mais de 90 documentos (atas, mensagens de emails, contratos, relatórios, etc) que comprovam todas as informações aqui prestadas. Quem quiser recebê-los, basta enviar email para a ABCF solicitando.

Compartilhe Google Plus

Sobre Portal ABCF

Site da Associação dos Beneficiários da Cemig Saúde e Forluz. Previdência complementar, fundo de pensão, educação financeira e plano de saúde.
    Comentários Gmail
    Comentários Facebook

0 comentários :

Postar um comentário